Site Meter Projeto Modes - Encheu? Joga Fora!: Junho 2009

terça-feira, 23 de junho de 2009

Tentativas.

Percebo há alguns instantes que meus olhos tentam te encontrar.
Que minhas mãos querem te tocar.
Que meu peito quer falar, soltar, frases altas, com gritos, gemidos até então presos.
Peço que me deixe ao bater a porta, mas que não bata na minha janela só pra me fazer escutar.

Preocupo-me com cada parte do teu corpo, mas muito mais com o meu, que chama o teu em silêncio, e se esforça para nadar contra a corrente das vontades.
Interesso-me por cada passo, penso em cada quadrado de chão que você pisa.
O exagero dilata minhas pupilas e me retrai, só por isso permaneço com os pés fincados.
Procuro não levar mais a sério.

Sou mais uma entre tantas, com a pele que já foi manchada.
Não quero mais pensar numa constante, tentando manter os apertos e a saudade excluídos dos sonhos de fim de noite.
Mas a noite sempre termina, o relógio nunca pára e os sentimentos permanecem firmes, como rochas.
Ainda bem.
É o maior sinal de felicidade, sentir e ter sentido.
A inquietação faz parte do cotidiano e eu quero embebedá-la.
Porque querer e não querer sentir, quando se sabe que é fora de cogitação tocar de novo, machuca.
Será que consigo ser um objeto? Ser não pensante?
Em certos momentos eu queria. Sim, é verdade.
Pensar é relembrar. Coisa boa.
Mas quando vira tortura não vale a pena.
Considero ser responsável e ao mesmo tempo inocente em relação aos últimos atos.
Últimos, que mais pra frente serão os primeiros.
Possuo todos os defeitos e qualidades em uma mistura.
Mas me permito.
Sou mais forte que o medo.










Na eterna tentativa,
com expectativas de sucesso,
de controlar o pensamento
e abafar o sentimento.






.

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Começo !!!


Apareceu no momento que eu mais precisava e no momento que eu menos esperava. Aconteceu!
Não sei o que passa pela sua cabeça, só sei que na minha você passou a ser constante.
O seu sorriso foi a porta de entrada para a admiração inicial. Com a mesma cor (a cor que põe o sol), com os mesmos gostos e com a mesma sintonia.
Estamos dando corda ao relógio, mas em certos momentos queremos que ele pare. Pode ser que o relógio desperte e acordemos do sonho, mas o sonho já é o começo!